Imprimir

A ida do Thiago Silva para o PSG, da França, é o sinal de que tudo é possível para os milionários que resolveram brincar de donos de clubes de futebol. Não há identificação, amor, paixão ou projeto tentador que impeça esses caras de levar quem eles quiserem pros seus respectivos clubes. 

Vendo este repentino fenômeno da “criação” de super clubes, me lembro bem de quando jogava FIFA no Nintendo 64. Eu tinha o hábito de montar equipes com os jogadores que gostava, e não tinha essa de não apelar! Na época do FIFA 98, eu comprava Beckham,  Bergkamp, Suker, Maldini, Raul, Seedorf, Del Piero, Redondo, e por aí vai!

Hoje em dia, se tornasse a jogar FIFA 98, não mais me sentiria como um “apelão”, mas sim como um Sheik ou Príncipe Árabe, quem sabe até um Magnata Russo, torrando milhões e me imaginando, no tempo livre, passeando em meu iate monstruoso e passando finais de semana a vagar pelas ruas de Mônaco ou em minha mansão nas Ilhas Fiji. 

Por Caio Borges.