Imprimir

Balotelli, jogador promissor da seleção italiana e do Manchester City, realmente é um caso a ser seriamente estudado. A qualidade dele como futebolista poucos contestam,  é um atacante que tem habilidade, faz alguns gols com muita categoria, decide jogos, realiza jogadas de efeito, mas o grande problema é a sua cabeça.

Ele é capaz de fazer 2 golaços de placa na mesma partida e arruinar a atuação com uma expulsão boba. Diversas vezes discute com zagueiros, faz uso de cotoveladas, deixa o pé maldosamente, e por aí vai, ocasionando expulsões ainda na primeira etapa e deixando os companheiros, o torcedor e o treinador enfurecidos. Além do excesso de violência que é provocado por acessos de loucura, Balotelli também tem o dom de ser displicente de maneira extremamente irritante em lances de clara possiblidade de gol. Na pré-temporada do ano passado, irritou meio mundo quando, em determinado lance, ficou cara a cara com o goleiro e simplesmente virou de costas e tentou um gol de letra ridiculamente perdido. Neste mesmo lance, ele tinha um companheiro ao lado e também a total possibilidade de finalização “normal”. Recentemente, na EURO 2012, em jogo contra a Espanha, Balotelli roubou uma bola do zagueiro Sérgio Ramos e ficou novamente cara a cara com o arqueiro, em vez de finalizar ou rolar para Cassano, Balotelli simplesmente caminhou sem a mínima vontade de fazer o gol até ser desarmado pelo mesmo Sérgio Ramos que estava completamente vendido no lance poucos instantes antes.

Outra especialidade de Balotelli é discutir com treinadores. Diversas vezes saiu xingando ao ser substituído por Roberto Mancini no Manchester City e, anteriormente, trocava farpas com José Mourinho na época em que jogava na Inter de Milão por achar que deveria ser titular absoluto, sendo que teve algumas oportunidades de mostrar serviço e desperdiçou com a displicência característica.

Além disso tudo, Balotelli também não consegue se comportar fora de campo. Certa vez incendiou a própria casa em uma tentativa frustrada de soltar fogos de artifício, o atacante teve que passar várias noites em um hotel. Em outra ocasião, ele foi pego atirando objetos em direção a jogadores do time juvenil do Manchester City . Voltando um pouco, tem também a vez em que ele, ao ser vaiado pela torcida, atirou a camisa da Inter no chão ao deixar o campo de jogo e fez vários gestos rudes para os torcedores, inclusive mandando estes calarem a boca.

 

Personalidade difícil o jovem atacante, mas uma aposta que não pode ser descartada em uma era em que os principais atacantes italianos estão todos em final de carreira ou rumando para uma reta final (Di Natale, Gilardino, Cassano, Di Vaio, Amauri, etc...). Existe sim uma renovação, não podemos esquecer de nomes como El Sharaawy, do Milan, Giaccherini, da Juventus, Matri, da Juventus e Giuseppe Rossi, do Villareal. Mas são jogadores que, a meu ver, oscilam bastante e, em seus melhores momentos, não chegam a impressionar e empolgar como Balotelli quando faz uma partida inteira com a cabeça no lugar e focado.  

O fato é que a Itália e o treinador Cesare Prandelli precisam muito deste jogador, precisam que ele tome rumo e corrija os problemas que o fazem ser rotulado como louco. Balotelli pode ser o grande nome da Itália na Copa de 2014, basta tomar tenência.

Por Caio Borges.