Imprimir

Para mim, todos sabiam, em qualquer canto do planeta, que o jogador brasileiro geralmente tem uma qualidade acima da média. Não tô falando somente do jogador profissional, mas também dos peladeiros, daqueles que curtem um futebolzinho com a galera no final de semana,  bater um contra na praia, jogar um artilheirinho com a galera, ou qualquer outra variação da prática do esporte bretão.

Com isso em mente, com essa idéia de que o jogador brasileiro é visto como “o cara”, cheguei eu na Itália, onde morei por 7 meses para fazer intercâmbio. A primeira coisa que notei foi a paixão do torcedor italiano por futebol, sempre que entrava em alguma discussão dava pra ver o quão seriamente eles suportam seus times, e o quão apaixonados são. Além disso, eles gostam muito de jogar uma pelada, e a Itália é um país com maior concentração de campos de futebol por metro quadrado do que qualquer outro, incrível!

Ok, lá fui eu jogar com os caras, não só italianos, tinha gente de tudo que é lugar: Espanha, Estados Unidos, Inglaterra, Turquia, França, e outros que não lembro agora. Eu tava com outros dois amigos brasileiros, um mineiro e um carioca. A gente fez uma boa partida e nosso time venceu. Após a partida, o pessoal sentou pra resenhar sobre futebol. O curioso é que todos foram unânimes ao destacar uma característica do jogador brasileiro que eu sempre destacava aqui no Brasil mas não tinha a certeza sobre: o jogador brasileiro, geralmente, é extremamente instável psicologicamente.

Todos os gringos afirmaram que, em 99,9 por centos dos casos em que há jogador brasileiro na pelada, quando a marcação aperta, quando o jogo tá pegado ou quando este tá jogando mal, raramente ele consegue se estabilizar e se sobrepor a isto. Além da velha reclamação que o jogador brasileiro prende demais a bola e, quase sempre, tenta um drible a mais para se consagrar, essa afirmação da instabilidade me chamou a atenção porque eles comentaram que realmente se utilizam desse fato em peladas com brasileiros, inclusive a maioria deles citou que acreditam ser essa uma característica também de diversos jogadores profissionais brasileiros, eles citaram Pato, Robinho, Neymar na seleção, etc...

Eu me lembro da época em que comentava com amigos que jogador brasileiro, na maioria das vezes, se descontrolava e ficava desequilibrado emocionalmente em jogos da libertadores, especialmente fora de casa. Se relembrarmos algumas das últimas eliminações de brasileiros na competição, existem acontecimentos bizarros e que poderiam ser atribuídos também à instabilidade emocional.  Será que essa idéia que os gringos têm dos futebolistas brasileiros procede? 

Por Caio Borges.