Imprimir

A torcida do Coritiba lotou, mais uma vez, o estádio Couto Pereira para empurrar o time da casa fazendo uma festa.  Na entrada do time em campo:  fogos, chuva de papel prateado, sinalizadores, enfim, teve de tudo  e mais um pouco. Na hora do Hino Nacional, a torcida deu um exemplo de patriotismo cantando o Hino todo com muita empolgação. 

Como  já tinha mencionado na coluna anterior, o Coritiba precisava vencer com dois gols de diferença para levar a partida para os pênaltis ou vencer  por mais de três gols  para levantar o caneco no tempo normal. Já o Palmeiras poderia perder por até um gol de diferença que ficaria com o título. 

A partida começou com o Palmeiras indo para o ataque, atendendo ao pedido do técnico Felipão, mas disse também se o time conseguisse fazer um gol,  iria obrigar o Coritiba a fazer quatro gols para ficar com o título. O time do Coritiba, aos poucos, chegava ao gol do goleiro Bruno. A melhor chance do time da casa foi aos 28 minutos do primeiro tempo, quando Rafinha deu um chute perigoso. O primeiro tempo termina, com o Palmeiras, dando poucas oportunidades para o time da casa.

O segundo tempo inicia com o Coritiba indo para o ataque, pois só a vitória interessa. A equipe do Palmeiras começou a se fechar, convidando o Coritiba para o seu campo, a pressão do “coxa” começava a surtir efeito, até que aos 16 minutos, em uma cobrança magistral de Airton no ângulo do goleiro Bruno fazendo 1 a 0 Coritiba, para festa da torcida que incendiou o jogo.  

O Palmeiras precisava fazer um gol para diminuir a pressão, a oportunidade veio em uma falta cobrada por Marcos Assunção. Antes da cobrança, Felipão pediu para cobrar direto, mas o Marcos resolve cruzar e Betinho desviou empatando a partida. Era tudo que o time paulista queria. Com o resultado, o Coritiba precisava fazer quatro gols. 

O jogo esquentou com o gol de empate do Palmeiras. Marcos Assunção cobrou mais uma falta e bateu na trave, depois foi a vez de Rafinha, o melhor jogador do Coritiba, chutou a bola rente a trave do goleiro Bruno. O Palmeiras foi administrando a partida até o fim do jogo. 

O Palmeiras é bicampeão da Copa do Brasil e também é a sexta equipe a conquistar o título invicto. 

Por Diogo Pereira.