Imprimir

A Libertadores e a Copa do Brasil terminaram e mais do que nunca os reforços chegaram nos clubes brasileiros. Destaco duas estrelas que vieram jogar no Brasil: Forlan e Seedorf. 

O primeiro veio para jogar no Internacional, que com o elenco que já conta atualmente, se torna uns dos favoritos ao título brasileiro e o segundo chega no Botafogo com grande recepção da torcida. Ótimo reforço do time carioca. Além dele, o Botafogo trouxe também o atacante Rafael Marques que estava jogando no japão. Sinceramente, não conheço o jogador e prefiro dizer se valeu a pena depois de sua estréia. 

Além deles, outros bons jogadores chegaram, dois foram para o Corinthians que contratou o atacante peruano Paolo Guerreiro, ex-Hamburgo, e o atacante argentino Martinez que saiu do Velez Sarsfield. 

O Grêmio que a pouco trouxe o Zé Roberto, agora também trouxe o Elano em troca com o Santos pelo atacante Miralles. Santos que vendeu Borges para o Cruzeiro. Além dele, o Cruzeiro também contratou o volante Tinga que estava no Internacional e o atacante argentino Martinuccio que voltaria de empréstimo do Villareal para o Fluminense. 

Falando em Fluminense, além da renovação do Deco, só escutamos que ainda tenta a manutenção de Rafael Sobis e o retorno de Conca. 


Leia mais:Reforços!
 
Imprimir

Exceto por algumas inserções, esse texto não foi feito por mim. Copiei da globo.com por dois motivos: primeiro porque achei a página especial criada por eles muito interessante e segundo porque fiquei sem internet por alguns dias graças a meu provedor e não achei que valeria a pena fazer um post com tanto tempo depois do jogo. De qualquer maneira, por ser um fato histórico, ainda achei válido publicar. 

Antes do apito inicial, houve muita festa pelos 100 anos do clássico. Foi disputada uma preliminar de 20 minutos, com artistas e ex-jogadores de Fla e Flu. O jogo terminou com vitória do Fluminense por 1 x 0 com golaço de Arthurzinho.  Depois, Toni Platão e Dudu Nobre cantaram os hinos dos clubes, acompanhados pela banda dos Fuzileiros Navais. Por fim, Peter Siemsen e Patricia Amorim, presidentes de Flu e Fla, receberam um troféu comemorativo aos 100 anos do clássico.

Assim como no jogo de cem anos atrás, foram os tricolores que comemoraram. Em tarde de festa - e chuva - no Engenhão pela data comemorativa do Fla-Flu, Fred desencantou em seu sexto clássico contra os rubro-negros e marcou o único gol da partida, logo aos dez minutos. O placar de 1 a 0 deixa o Fluminense na vice-liderança do Brasileiro, com 18 pontos. O Tricolor chegou a assumir a ponta provisória, mas foi ultrapassado pelo Atlético-MG, que bateu a Portuguesa e tem 19.

Fla x Flu: 100 anos de história

Leia mais:Fla x Flu: 100 anos de história
 
Imprimir

Neste domingo fiz minha estreia como comentarista na Rádio Energia, 104.9 FM. Já aproveito esse post para agradecer a equipe da Rádio pela oportunidade. Lembrando que também vou fazer parte do programa Esporte e Energia de segunda à sexta-feira das 13 às 14 horas. 

Mas vamos falar sobre a partida que aconteceu no Engenhão. O Botafogo até começou melhor que o time da Ponte Preta. Durante os primeiros 5 minutos o Botafogo era quem dava as cartas, o problema foi que o técnico Oswaldo de Oliveira não percebeu que isso era exatamente o que o time paulista queria. Afinal, a Ponte jogou todo o tempo nos erros dos donos da casa. Alias, me permitam elogiar o técnico Gilson Kleina, pois o time da Ponte possui um contra-ataque com muita velocidade, tocando bem a bola e contra o Botafogo foi mortal. 

Digo mais, se o time da Ponte tivesse caprichado mais a pontaria, talvez o jogo teria tido um placar mais elástico. Apesar de jogar no contra-ataque, a Ponte teve uma estratégia e jogadas bem definidas. Já o Botafogo tinha a posse de bola, mas não sabia o que fazer com ela. A Ponte jogou fechada durante toda a partida e o Botafogo para furar tinha que tentar mais jogadas pelos flancos. Lembro bem de um lance que o Lennon foi até o fundo pela direita e ninguém encostou para tentar uma tabela. O Marcio Azevedo tem velocidade, porém poderia ter ido mais vezes ao fundo para cruzar. Contudo o time do Botafogo só tentava na maioria das vezes jogar pelo centro o que acabava por facilitar a marcação da Ponte Preta. Deu no que deu. 

 

Leia mais:A Ponte Preta deu aula de estratégia para o Botafogo
 
Imprimir

Mesmo com primeiro tempo horrível, Flamengo melhora com Adryan na segunda etapa e vence o Atlético-GO por 3 x 2. 

Acho que todos esperavam ver o Adryan como titular no jogo de ontem. Eu comentei a partida na Rádio Energia FM, 104.9 FM, e assisti dois tempos distintos. No primeiro tempo, a partida estava triste de se ver. Um jogo muito ruim, com as duas equipes errando muitos passes e jogo truncado no meio de campo. O Atlético-GO veio ao Rio de Janeiro para jogar no contra-ataque, o que já era esperado. E mesmo jogando assim teve as melhores chances de marcar da primeira etapa. O atacante Felipe do Atlético-GO, recebeu lindo passe, dominou e bateu no alto sem chances para o goleiro Paulo Vitor fazendo 1 x 0. Outro jogador que fazia boa partida pelo Atlético-GO era Wesley, sempre levando perigo com seus dribles. Nesse momento o pequeno público que foi ao Engenhão vaiava o time do Flamengo. 

Falei durante a partida que o Flamengo tinha que empatar ainda no primeiro tempo para tentar se organizar no intervalo e virar o jogo no segundo tempo. E do jeito que o Flamengo estava jogando mal, tinha que aproveitar uma bola parada. Assim saiu o gol do Renato. Ele bateu muito forte e acertou o lado do goleiro Márcio, que mesmo assim não conseguiu chegar na bola. No fim do primeiro tempo, tudo igual no placar 1 x 1. 

No segundo tempo, Joel Santana colocou o Adryan no lugar de Wellington Silva. No primeiro toque na bola, Adryan cruzou uma bola perfeita na cabeça de Diego Maurício que cabeceou para o chão e Márcio fez milagre em um defesa muito difícil. 


Leia mais:Adryan, Paulo Vitor e Renato fizeram a diferença na partida entre Flamengo e Atlético-GO
 
Imprimir

A final da Copa Libertadores de 2012 será entre Corinthians e Boca Juniors. O time brasileiro chega pela primeira vez a final e o considero mais time que o clube argentino. O Boca Juniors tem a favor dele a pressão que o estádio La Bombonera proporciona, a experiência e catimba que eles já estão acostumados a praticar neste tipo de campeonato e seu camisa 10, Juan Roman Riquelme. 

Mesmo assim considero o Corinthians com leve vantagem no confronto, pois tem muito mais time tanto individualmente, quanto coletivamente. O time do técnico Tite joga de maneira mais compacta, toca bem a bola e além de ser um time perigoso tem uma defesa que se recompõe bem rápida. Defesa esta que é a menos vazada da Copa, com apenas 3 gols sofridos. 

Tem tudo para ser dois grandes jogos. 

Sobre a final da Copa do Brasil acho que será um jogo mais equilibrado, até porque os times se conhecem mais, a única vantagem que vejo é para o Coritiba que jogará a segunda partida em casa. Mas ainda acho que serão dois jogos mais equilibrados, principalmente o primeiro. 

Mudando um pouco de assunto, copas são sempre mais bonitas de assistir do que um campeonato de pontos corridos. Apesar da fórmula do campeonato ser mais justa, nada se compara a emoção das partidas de copa. Em finais então, menos ainda! 

Por Leonardo Calheiros.

  


 

Pagina 7 de 8